ONG denuncia 'opressão violenta' no Bahrein

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) acusou hoje o Bahrein de realizar uma "campanha de opressão violenta" contra seus cidadãos e pediu o fim dos abusos. Manifestantes que exigem reformas tomaram as ruas do país em 14 de fevereiro, porém as forças de segurança reprimiram as manifestações, um mês depois, em uma sangrenta repressão seguida de muitas prisões.

AE, Agência Estado

06 de julho de 2011 | 11h52

Autoridades admitem que 24 pessoas morreram em meio aos distúrbios. "O governo do Bahrein, desde março de 2011, tem realizado uma campanha punitiva e vingativa de violenta repressão contra seus cidadãos", afirmou a HRW em comunicado. "O Bahrein puniu brutalmente aqueles que estavam protestando pacificamente por maior liberdade e transparência, enquanto os Estados Unidos e outros aliados olharam para o outro lado", afirmou o vice-diretor para Oriente Médio da ONG, Joe Stork.

A HRW pediu que "o governo do Bahrein encerre as detenções ilegais e incomunicáveis, libere manifestantes a menos que acusações criminais legítimas possam ser apresentadas e permita o monitoramento de organizações independentes pelos direitos humanos". A ONG, sediada em Nova York, afirma que não consegue atuar no Bahrein desde abril. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BahreinprotestosHRWrepressão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.