ONG destaca avanço na liberdade de imprensa nos EUA

A organização não-governamental (ONG) Repórteres Sem Fronteiras (RSF) destacou o avanço dos Estados Unidos em seu mais recente relatório sobre a liberdade de imprensa no mundo, divulgado hoje em seu site. Os norte-americanos aparecem em 20º na classificação mundial, subindo 20 posições graças ao que a RSF qualifica como "o efeito Obama", referindo-se ao presidente do país, Barack Obama, que tomou posse em janeiro. O Brasil está na relação em 71º lugar, atrás do Butão. No ano anterior, o País ocupava a 82ª posição no ranking. Já em 2007, aparecia em 84º.

AE, Agencia Estado

20 de outubro de 2009 | 13h17

A ONG destacou também a queda constante de alguns países europeus na lista. O secretário-geral da RSF, Jean-François Julliard, diz que "é inquietante constatar" que democracias como Itália, França e Eslováquia perdem, ano após ano, posições na lista.

No topo do ranking estão Dinamarca, Finlândia, Irlanda, Noruega e Suécia. Na América Latina, o primeiro posto fica com o Uruguai, na 29ª colocação. Na América Central, Honduras, que sofreu um golpe de Estado em 28 de junho e vive prolongada crise política, está na 128ª posição. Em 2008, Honduras estava em 100º.

Entre os destaques negativos, aparece o Irã. "O país se aproxima de maneira perigosa do trio infernal quanto à liberdade de imprensa, constituído há anos por Eritreia, Coreia do Norte e Turcomenistão", afirmou Julliard, no site da RSF. Além desses quatro, aparecem no fim da lista Mianmar (171º), Cuba, Laos e a China (168º).

O levantamento é feito anualmente. Em sua oitava edição, o relatório foi elaborado a partir de questionários respondidos por centenas de especialistas e profissionais da mídia ao redor do mundo. O período que abrange o mais recente levantamento vai de 1º de setembro de 2008 a 31 de agosto de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.