ONG divulga vídeo sobre abusos em Gaza

Soldados de Israel admitem crimes durante ofensiva em Gaza

REUTERS E AP, O Estadao de S.Paulo

16 de julho de 2009 | 00h00

Militares israelenses confessaram em vídeos ter cometido uma longa lista de crimes de guerra durante conflito com o grupo radical palestino Hamas na Faixa de Gaza, entre 27 de dezembro e 18 de janeiro, revelou um relatório divulgado ontem pela ONG Breaking the Silence (Rompendo o Silêncio).Os 30 depoimentos, todos anônimos, estão transcritos num relatório de 110 páginas, no qual soldados que participaram das operações descrevem crimes como o uso de escudos civis, de munição química e incendiária - como o fósforo branco - em áreas densamente povoadas e a destruição de residências civis, além de agressões e atos de vandalismo cometidos durante a ofensiva.Os depoimentos foram gravados em vídeo, mas o rosto dos soldados aparece borrado para, segundo a ONG, evitar que eles sofram represálias pelas denúncias, já que a maioria dos entrevistados ainda está na ativa nas Forças Armadas.REPÚDIOEm resposta, o Exército israelense emitiu um comunicado dizendo que "lamenta que outra organização de direitos humanos apresente a Israel e ao mundo um relatório feito com base em depoimentos anônimos e genéricos". O comunicado diz ainda: "Este foi um ato para difamar e caluniar as Forças Armadas israelenses e seus comandantes."As denúncias divulgadas ontem pela ONG israelense foram consideradas as mais contundentes desde o fim da ofensiva que deixou mais de 1.400 mortos (900 civis) e 5.600 feridos na Faixa de Gaza. Do lado israelense, houve 13 mortos. Os testemunhos dos soldados reforçam conclusões apresentadas após o fim da guerra por grupos de defesa de direitos humanos como o Human Rights Watch e a Anistia Internacional, além da Organização das Nações Unidas (ONU).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.