ONG exige demissão de rabino do Exército

O chefe dos capelães do Exército de Israel, o rabino e general de brigada Avichai Rontzki, distribuiu um panfleto para soldados, durante a ofensiva na Faixa de Gaza, que tachava de "terrivelmente imoral" ter misericórdia em relação ao "inimigo cruel", denunciou ontem a ONG israelense Yesh Din. Para a organização, que atua na defesa dos direitos de palestinos em Israel, Gaza e Cisjordânia, o texto religioso - escrito por um rabino de ultradireita - poderia ter "incitado militares a agir fora dos limites impostos por leis internacionais". Em carta ao ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, a ONG pediu a demissão sumária do capelão. Não houve, porém, resposta oficial ao pedido.Denúncias internacionais de violações em Gaza por parte de Israel levaram o premiê Ehud Olmert a prometer no domingo proteção do Estado a qualquer militar israelense envolvido na recente guerra que seja alvo de uma investigação fora do país. Entre as principais suspeitas que recaem sobre Israel, está o uso de armas e procedimentos ilícitos na operação "Chumbo Grosso" - como foi batizada a ofensiva contra o Hamas em Gaza -, incluindo fósforo branco e até mesmo armamento com urânio empobrecido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.