ONG nega que tentou converter islâmicos

Um porta-voz da organização não-governamental (ONG) cujos funcionários foram presos no Afeganistão no início desta semana confirmou hoje que os membros possuíam bíblias e outros livros de literatura cristã, mas insistiu que o material era apenas para uso próprio. O Taleban prendeu, no domingo, quatro alemães, dois norte-americanos, dois australianos e 16 afegãos alegando que eles pregavam o cristianismo no país estritamente islâmico."Certamente o grupo possuía bíblias e outros livros cristãos para seu uso pessoal, mas não para converter os muçulmanos ao cristianismo", afirmou Esteban Witzemann, porta-voz da ONG Shelter Now da Alemanha, em Peshawar, Paquistão. A tentativa de conversão é punida com a morte, segundo a lei taliban, mas o governo alemão afirmou hoje que os estrangeiros deverão ser, no máximo, expulsos do país.O Taleban não permitiu o acesso nem de funcionários do governo nem de membros da ONG ao grupo preso. Pedidos feitos pela ONU e pela Cruz Vermelha Internacional também foram negados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.