ONGs não têm acesso a opositores

Cuba é um dos únicos países da região que não permite que suas prisões sejam visitadas pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha. Uma visita de uma comissão das Nações Unidas contra a tortura estava sendo negociada, mas acabou rejeitada. Algumas das mulheres contam que podem ver seus maridos presos apenas duas horas a cada três meses.

, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2010 | 00h00

As correspondências são violadas e nem sempre chegam. Alguns presos têm direito a um telefonema por semana de 20 ou 25 minutos. Outros mais. Mas dependendo do tema tratado com seus interlocutores os carcereiros podem interromper as conversas.

Apesar das péssimas condições sanitárias das penitenciárias, o regime cubano, por razões de propaganda, normalmente não permite que dissidentes morras nas celas. Presos com doenças graves, são transferidos a hospitais ou libertados "sob vigilância".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.