ONU: 600 marfinenses fogem diariamente para Libéria

Cerca de 600 refugiados da Costa do Marfim chegam diariamente à Libéria, elevando para 25 mil o número dos que fogem da violência para o país vizinho, afirmou hoje o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). "Há agora cerca de 25 mil refugiados marfinenses na Libéria, com cerca de 600 pessoas chegando diariamente", disse Adrian Edwards, porta-voz do Acnur.

AE, Agência Estado

11 de janeiro de 2011 | 15h19

Ele acrescentou que a agência da Organização das Nações Unidas (ONU), que tinha originalmente suprimentos para auxiliar 30 mil refugiados, agora está "pronta para mobilizar estoques de Gana para mais 30 mil pessoas, se houver necessidade".

A aAcnur começou a construir um novo campo, que poderia inicialmente dar abrigo a 18 mil refugiados na cidade de Bahn, no leste da Libéria. "O campo é bastante necessário para proteger os refugiados e reduzir a pressão sobre as comunidades liberianas que vêm recebendo pessoas em 23 vilas ao longo da fronteira com a Costa do Marfim", disse Edwards.

Os refugiados, que têm deixado o país por causa da violência após as eleições de novembro, disseram a funcionários que eles estavam "fugindo por medo da violência, mais do que por causa da violência de fato praticada contra eles", disse o porta-voz. De acordo com ele, a agência busca terminar de construir uma estrutura em Bahn que possa prover serviços como fornecimento de água e saneamento básico nas próximas duas semanas.

Pelo menos 200 pessoas morreram na crise política causada pela recusa do presidente Laurent Gbagbo em deixar o poder, apesar do anúncio da Comissão Eleitoral Independente, da ONU e da maioria do mundo de que seu rival, Alassane Ouattara, é o vencedor. Hoje, o partido de Gbagbo rejeitou a oferta de Ouattara para formar um gabinete de unidade para encerrar a crise política. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Costa do MarfimrisefugaLibériaONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.