ONU acusa Hamas de confiscar doações em Gaza

A polícia do partido islâmico Hamas invadiu um depósito cheio de suprimentos da Organização das Nações Unidas (ONU) na Cidade de Gaza, na noite de ontem, e levou do local milhares de cobertores e pacotes de alimentos, disse hoje o porta-voz da Agência para Trabalhos de Assistência das Nações Unidas (UNRWA, na sigla em inglês), Christopher Gunness. O incidente revela as dificuldades que os doadores encontram ao lidar com o Hamas enquanto ajudam os civis da Faixa de Gaza a reconstruírem suas vidas após a ofensiva de Israel de 22 dias, que deixou 1.300 palestinos mortos, além de 13 israelenses.Os policiais do Hamas invadiram o depósito e confiscaram 3,5 mil cobertores e mais de 400 rações de comida prontas para serem distribuídas a 500 famílias, disse o porta-voz. "Eles estavam armados, eles levaram embora o auxílio, eles tomaram as mercadorias pela força", afirmou Gunness, que definiu o incidente como "totalmente inaceitável." A UNRWA é responsável pelo auxílio aos refugiados palestinos nos territórios ocupados e nos países árabes.Gunness afirmou que a polícia confiscou a ajuda humanitária após a UNRWA ter se recusado a entregá-la por livre e espontânea vontade ao Ministério dos Assuntos Sociais, controlado pelo Hamas. Em Nova York, a vice porta-voz da UNRWA, Marie Okabe, disse que a agência "condena nos mais fortes termos" o confisco da ajuda e suprimentos humanitários. Ahmad Kurd, funcionário do Hamas no ministério, não negou que a ajuda tenha sido confiscada. Já outros funcionários do partido defenderam a ação. O porta-voz do Hamas, Taher Nunu, disse que a UNRWA está "espalhando notícias falsas" e pediu que a agência peça desculpas. Ihab Ghussein, porta-voz do Ministério do Interior do Hamas, afirmou que o incidente ocorreu porque a UNRWA estava estocando os suprimentos em um depósito não autorizado para distribuição. O funcionário da ONU John Ging disse que a distribuição humanitária continuará. "Nós não puniremos os refugiados por causa das ações irresponsáveis de alguns."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.