ONU acusa Iugoslávia de proteger criminoso de guerra

A principal promotora do Tribunal de Crimes de Guerra da Organização das Nações Unidas (ONU) acusou o governo da Iugoslávia de proteger um comandante dos sérvios bósnios acusados de genocídio. Carla del Ponte disse hoje que o general Ratko Mladic vive em Belgrado e que o Exército da Iugoslávia o protege da Justiça nacional e internacional com o consentimento do governo. Também acusou as autoridades da República Srebiska (a república sérvia da Bósnia), controlada pelos sérvios, de conhecerem o paradeiro de outro suspeito de crimes de guerra, o chefe militar Radovan Karadzic. Del Ponte disse que seis anos após o fim da guerra civil na Bósnia, "as vítimas e sobreviventes do conflito bósnio merecem que se realize um esforço real que permita a prisão de Karadzic e Mladic". O ministro do Interior da Iugoslávia, Zoran Zivkovic, negou que o governo esteja protegendo Mladic e disse à agência de notícias oficial, a Tanjug, não ter "conhecimento? de que ele se encontre território iugoslavo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.