Governo do Irã/Reuters
Governo do Irã/Reuters

ONU adverte contra uso da força em impasse nuclear com Irã

Israel e Estados Unidos não descartam futura ação militar contra instalações de Teerã

Reuters

10 de novembro de 2011 | 16h26

NOVA YORK - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, pediu nesta quinta-feira, 10, uma solução diplomática para o impasse nuclear com Teerã, em uma aparente reação a especulações na mídia de que Israel poderia atacar as instalações nucleares iranianas.

 

Veja também:

linkIrã responderá ataques com 'punhos de ferro'

documento BASTIDORES: Independência da AIEA é posta em dúvida

documento PARA ENTENDER: O que diz o relatório da AIEA

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

lista NA ÍNTEGRA: O relatório da AIEA (em inglês)

especialESPECIAL: Tambores de guerra no Oriente Médio

especialESPECIAL: O programa nuclear do Irã

tabela HOTSITE:A tensão entre Israel e o Irã

 

"Ele (Ban) reitera seu apelo para a complacência do Irã com todas as resoluções pertinentes do Conselho de Segurança e do conselho de governantes da Agência Internacional de Energia Atômica", afirmou o porta-voz da ONU, Martin Nesirky, a repórteres.

 

"O secretário-geral reitera sua crença de que uma solução negociada, e não uma solução militar, é a única maneira de resolver esse problema", acrescentou ele. O porta-voz disse que a posição de Ban é que "a responsabilidade recai sobre o Irã para provar a natureza pacífica do seu programa nuclear."

A tensão relacionada ao programa nuclear iraniano aumentou no início desta semana quando a agência nuclear da ONU reportou que Teerã parecia ter trabalhado no desenvolvimento de uma bomba e que ainda podia estar conduzindo pesquisas secretas para tal fim.

A especulação da mídia sobre uma possível ação militar dos EUA e de Israel também se intensificou nas últimas semanas. Teerã, que há anos nega estar desenvolvendo armas atômicas, condenou imediatamente o relatório e o qualificou de "desequilibrado, não profissional e politicamente motivado."

Desde 2006, o Conselho de Segurança da ONU adotou seis resoluções exigindo que o Irã interrompesse seu programa de enriquecimento de urânio, quatro delas com sanções contra a República Islâmica.

Os EUA, a União Europeia e os seus aliados suspeitam que o enriquecimento é o núcleo de um programa para desenvolver uma capacidade de armas nucleares. O Irã, que se recusa a interromper seu programa, diz que suas ambições nucleares são limitadas à geração de eletricidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.