Louafi Larbi/Reuters
Louafi Larbi/Reuters

ONU afirma que milhares de presos e detidos na Líbia estão desaparecidos

Porta-voz afirmou que número de desaparecidos é grande, mas não estimou número

Efe,

30 de agosto de 2011 | 10h54

GENEBRA- A Organização das Nações Unidas (ONU) denunciou nesta terça-feira, 30, que milhares de prisioneiros e detidos pelas forças de Muamar Kadafi na Líbia, durante e inclusive antes do último conflito armado, estão desaparecidos e que a recente descoberta de covas provoca temor por seu paradeiro.

 

Veja também:

link Mais de 50 corpos são achados em 'depósito dos horrores' de Kadafi

blog RADAR GLOBAL: Acompanhe ao vivo

 

"Pedimos aos membros do regime de Kadafi que nos revelem onde estão os prisioneiros, antes que morram mais pessoas", pediu o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Rupert Colville, que também citou o aparecimento de novas informações sobre execuções sumárias maciças pelos combatentes de Kadafi dias antes da perda do controle total de Trípoli.

 

"É extremamente importante que esses crimes, assim como outras graves violações aos direitos humanos e do direito humanitário internacional, sejam documentados e investigados adequadamente", destacou o porta-voz da ONU, afirmando que essa será a única maneira de garantir que a lei seja aplicada aos responsáveis e que a justiça seja feita às vítimas.

 

Perguntado sobre o número de desaparecidos, o porta-voz indicou que a ONU não pode comprovar nenhum número - como o de 50 mil, divulgada pelos rebeldes -, apesar de ter confirmado que "é grande", além de esclarecer que os desaparecimentos correspondem não só aos últimos seis meses de conflito, mas também às quatro décadas em que Kadafi se manteve no poder.

 

Por outro lado, o Escritório de Ajuda Humanitária da ONU informou que o urgente problema de falta de água em Trípoli continua afetando os habitantes de Trípoli. A falta de remédios e de outros artigos essenciais para os hospitais, assim como de equipes médicas também preocupam a instituição.

 

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) anunciou que 600 toneladas de mantimentos estão a caminho de Trípoli, onde serão distribuídos a 35 mil desabrigados da cidade, que receberão uma quantia suficiente para um mês.

 

Também é esperada a chegada de 500 mil litros de água e de combustível para garantir o funcionamento de hospitais e de outros estabelecimentos essenciais que recebem eletricidade gerada com óleo combustível derivado do petróleo, assim como os veículos com fins humanitários.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaKadafiONUrebeldes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.