ONU afirma que mudança política não afetará negociações em Kosovo

O embaixador das Nações Unidas (ONU) que está mediando as conversas sobre o futuro de Kosovo disse, nesta sexta-feira, que a nomeação iminente de um antigo comandante rebelde como primeiro ministro não afetará o processo de negociação. Porém, o governo sérvio expressou "profundas preocupações" na nomeação do general Agim Ceku, considerado criminoso de guerra por Belgrado, ao posto de primeiro ministro. Martti Ahtisaari, ex-presidente finlandês incumbido de resolver a disputa de mais de uma década sobre a soberania de Kosovo, recusou-se a comentar a nomeação de Ceku. No entanto, ele disse que acredita que a nomeação não terá um "efeito dramático" nas negociações. "Partidos políticos têm o direito de organizar seu trabalho como bem entender. Não tenho opinião e não preciso ter. Minha tarefa é negociar com o governo e fazer o melhor", disse Ahtisaari. Porém, oficiais de Belgrado insistem que Soren Jessen-Petersen, diretor chefe de Kosovo na ONU, intervenha e evite a eleição de Ceku, dizendo que se ele chegar ao poder as negociações estarão em risco. Belgrado investiga Ceku por crimes de guerra durante os conflitos nos Balcãs e emitiu um mandado internacional de prisão contra ele. Ceku, no entanto, negou qualquer crime e disse que há interesses políticos por trás das acusações. As negociações já sofreram atrasos após a morte presidente pró-independência de Kosovo Ibrahim Rugova, em janeiro, mas, segundo Ahtisaari, o processo devera acelerar-se após a mudança de governo. Desde o fim da guerra, em 1999, Kosovo é um protetorado da ONU. A maioria albana insiste na independência total do território, mas os sérvios, no entanto, afirmam que a província é o berço de sua cultura e, por isso, querem que Kosovo continue fazendo parte da Sérvia. Oficiais da Pristina e de Belgrado se encontraram no início do mês em Viena, na Áustria, para a primeira rodada de negociações, que continuará em 17 de março. A expectativa do ocidente é de que o caso se resolva até o fim do ano.

Agencia Estado,

03 Março 2006 | 19h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.