ONU anuncia nova investigação sobre origem de cólera no Haiti

Objetivo é saber ao certo se soldados têm responsabilidade na proliferação da doença.

BBC Brasil, BBC

17 de dezembro de 2010 | 16h57

Mais de 2 mil pessoas morreram da doença no país

A ONU anunciou nesta sexta-feira que montou um comitê independente para investigar a origem da epidemia de cólera no Haiti, em meio a acusações de que tropas de paz da entidade teriam levado a doença do sul da Ásia para a nação caribenha.

O organismo tem negado as acusações, que serviram de estopim para manifestações populares contra as tropas das Nações Unidas.

Mais de 2 mil pessoas morreram e quase 100 mil foram infectadas pelo cólera no Haiti desde o início da epidemia, em outubro.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que uma investigação é necessária para "descobrir as respostas que o povo do Haiti merece".

"Há várias teorias para as origens da epidemia. Nem todos os relatórios chegaram às mesmas conclusões", disse o secretário-geral, em uma entrevista coletiva nesta sexta.

"Restam perguntas justas e preocupações legítimas, que requerem as melhores respostas que a ciência puder oferecer", acrescentou. Segundo o secretário, o comitê será "completamente independente" e terá acesso a dados da ONU.

Soldados nepaleses da ONU se tornaram objeto de suspeitas no Haiti, em parte porque o cólera é muito raro no país caribenho, mas endêmico no Nepal.

Estudos

Em novembro, o centro americano para controle de doenças identificou que o tipo de cólera que está afetando os haitianos tem semelhanças com a variação sul-asiática da doença.

Um estudo do epidemiologista Renaud Piarroux, para os governos francês e haitiano, também sugeriu que a doença foi importada do sul da Ásia.

Mas Ban Ki-moon alega que relatórios preliminares da ONU sugerem que os soldados nepaleses não têm responsabilidade no caso.

O Exército do Nepal também negou a acusação, mas admitiu que seus soldados não fizeram testes de cólera antes de embarcar ao Haiti.

Estimativas apontam que 650 mil haitianos podem se infectar pelos próximos seis meses.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.