ONU aponta aumento de incidentes com civis afegãos

A Organização das Nações Unidas (ONU) informou nesta quarta-feira que o número de civis atingidos no Afeganistão aumentou 23% nos primeiros seis meses do ano e responsabilizou a insurgência pela grande maioria dos mortos e feridos.

Agência Estado

31 de julho de 2013 | 12h17

Em seu relatório semestral sobre acidentes com civis, a Missão de Assistência da ONU para o Afeganistão (UNAMA)descobriu que bombas e minas de fabricação caseira, geralmente colocada perto de vias, foram a principal causa de mortes e ferimentos.

O documento também detectou o preocupante aumento de mortes e ferimentos em confrontos terrestres envolvendo forças de segurança afegãs e insurgentes, que tentam recuperar territórios perdidos, especialmente no leste e no sul do país.

Os insurgentes intensificaram seus ataques em áreas de onde tropas estrangeiras se retiraram ou estão em processo de retirada. A maior parte das forças estrangeiras deve deixar o país neste ano e se retirar completamente até o final de 2014.

Os planos dos Estados Unidos e seus aliados de manterem parte dos militares após essa data ainda não foram estabelecidos e dependem da assinatura de um acordo de segurança entre Afeganistão e Estados Unidos.

Georgette Gagnon, chefe da missão de assistência da UNAMA, disse que a organização documentou que 1.319 civis foram mortos e 2.533 ficaram feridos entre janeiro e junho.

"Há aumentos em áreas em disputa", disse Gagnon a respeito de confrontos em terra, que causaram 25% de todos os incidentes envolvendo civis, atrás das bombas colocadas à margem de vias.

"A transição gradual das responsabilidades de segurança das forças internacionais para forças afegãs e o fechamento das bases militares internacionais foram recebidos com um aumento dos ataques."

Ela disse também que houve um grande aumento no número de ataques contra civis que trabalham para o governo e para o Judiciário e contra prédios da administração civil. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãocivismortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.