ONU apresentará relatório sobre morte de general brasileiro no Haiti

O representante da ONU no Haiti, o chileno Juan Gabriel Valdés, disse neste domingo que "nas próximas horas" o organismo emitirá um relatório sobre as circunstâncias do tiro na cabeça que matou o general brasileiro Urano Teixeira da Matta Bacellar, em Porto Príncipe.Em um entrevista coletiva, Valdés chamou de "tragédia" a morte de Teixeira, chefe da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), e confirmou que este corpo militar está sob o comando interino do general chileno Eduardo Aldunate."As Nações Unidas estão investigando as razões de sua morte. Esperamos que nas próximas horas possamos ter um relatório preciso", disse o representante especial da ONU no Haiti. "Temos aqui um grupo de especialistas legais que pertencem à Polícia internacional das Nações Unidas, e ainda médicos brasileiros que vieram especificamente para esta investigação", disse Valdés."Quero dizer que para a Missão das Nações Unidas a morte do general Bacellar é uma tragédia que afetou a todos profundamente, e a mim pessoalmente. O general era um profissional distinto e um homem de coragem e grande valor. Lamento profundamente sua trágica morte", expressou.Valdés ressaltou, no entanto, que "a força militar das Nações Unidas está perfeitamente capacitada para realizar seu trabalho, apesar da trágica perda".Ele informou ainda que neste sábado fez uma visita às tropas brasileiras da Minustah, para oferecer suas condolências e manifestar a gratidão das Nações Unidas por seu trabalho.Valdés também destacou o excelente papel desempenhado pelas tropas no país, "onde diariamente arriscam suas vidas".Teixeira, que assumiu o comando da Minustah em agosto passado, foi encontrado morto, no sábado, no terraço do quarto do hotel de Porto Príncipe onde morava. O general foi visto sentado em um cadeira com um tiro na cabeça, que estava sobre seu peito, sem outros sinais de violência.Valdés informou que as forças da Minustah em colaboração com a Polícia Nacional Haitiana (PNH) realizaram neste domingo uma operação no bairro Cite Soleil de Porto Príncipe, um dos redutos dos Chimères, grupo armado que apóia o ex-presidente Jean Bertrand Aristide, exilado na África do Sul."Durante os próximas dias vamos realizar mais ações que já estão planejadas", anunciou o representante da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.