ONU aprova declaração contra teste nuclear norte-coreano

O Conselho de Segurança da ONU chegou nesta sexta-feira a um acordo sobre uma declaração oficial instando a Coréia do Norte a cancelar seu planejado teste nuclear e retornar imediatamente à mesa de negociações, disse o embaixador russo nas Nações Unidas. O conselho decidiu sobre o conteúdo e o formato do texto em uma reunião a portas fechadas, e o presidente do conselho, o embaixador japonês no órgão Kenzo Oshima, é esperado a ler o depoimento em um encontro aberto do conselho, informou o diplomata russo Vitaly Churkin.O Japão, que estaria geograficamente próximo a qualquer teste nuclear norte-coreano, propôs o documento inicial. Oshima havia pressionado a adoção do texto antes de o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, viajar para Pequim e Seul no próximo domingo com uma mensagem para que os norte-coreanos não realizem os testes. O texto final concordado pelo conselho - e obtido pela Associated Press (AP)- expressa "profunda preocupação" sobre o anúncio da Coréia do Norte, feito na terça-feira, de que realizaria um teste nuclear e urge o país a não executá-lo. A declaração alerta Pyongyang de que um teste nuclear traria condenação internacional, "pondo em risco a paz, estabilidade e segurança na região e além dela", e leve a mais ações do conselho. Além disso, o texto tenta convencer Pyongyang a retornar imediatamente às conversas sobre seu programa nuclear e trabalha para a implementação de um acordo de setembro de 2005, no qual a Coréia do Norte se comprometeria a abrir mão de suas ambições nucleares em troca de auxílio e garantias de segurança. BoicoteOs norte-coreanos têm boicotado conversas com o conselho durante um ano, irritados pelas restrições financeiras dos norte-americanos impostas por causa das atividades da Coréia do Norte consideradas ilegais, como lavagem de dinheiro e falsificação. O conselho decidiu recorrer a uma declaração presidencial ao invés de uma declaração de imprensa. A presidencial tem maior peso porque se torna parte do registro oficial do conselho. Já a de imprensa reflete o pensando unânime do grupo, mas não é incorporada aos registros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.