ONU aprova força de paz para Darfur

O Conselho de Segurança da ONU aprovou ontem o envio de 26 mil soldados e policiais para a região de Darfur, no oeste do Sudão, para tentar acabar com o conflito que já deixou mais de 200 mil mortos. O secretário-geral da ONU, o sul-coreano Ban Ki-moon, qualificou a decisão de ''''histórica e sem precedentes'''', e de uma mensagem ''''forte e clara'''' sobre o comprometimento da organização em ajudar a população de Darfur.A coalizão militar da União Africana (AU) e da ONU é a primeira missão de paz conjunta das duas organizações e substituirá os 7 mil soldados da AU que estão na região. As tropas, que devem chegar a Darfur até 31 de dezembro, têm permissão para usar a força para proteger os civis. A missão deve custar mais de US$ 2 bilhões. O embaixador do Sudão na ONU, Abdalmahmud Abdalhaleem Mohamad, afirmou que seu governo discutirá a resolução. Segundo ele, o texto contém ''''elementos positivos''''. O governo sudanês criticou versões anteriores da resolução, que adotavam uma política mais dura para com o país.O conflito em Darfur começou em fevereiro de 2003, quando tribos locais se rebelaram contra o que consideravam discriminação por parte das autoridades sudanesas. O governo é acusado de ter retaliado apoiando a milícia árabe Janjaweed na repressão aos rebeldes. Mais de 2 milhões de pessoas tiveram de deixar suas casas e vivem em situação precária em campos de refugiados. Também ontem, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou um projeto de lei para endurecer as sanções econômicas impostas Sudão, até que o conflito seja resolvido. Caso aprovada, a nova lei obrigaria o Departamento do Tesouro dos EUA a manter uma lista de empresas cujas transações ''''beneficiam diretamente'''' o regime sudanês. AP

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.