ONU aprova resolução de não-proliferação nuclear

O Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou hoje uma resolução a fim de conter a disseminação das armas nucleares no mundo. O Conselho, com cinco membros permanentes e dez rotativos, passou a medida por unanimidade. Pela primeira vez um encontro do CS foi comandado pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

AE, Agencia Estado

24 de setembro de 2009 | 12h03

A Resolução 1887 pede aos Estados que não firmaram o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) que "cumpram totalmente com suas obrigações". O TNP deve ser revisto em uma conferência no ano que vem. O texto aprovado não estabelece uma diferença direta para países como Irã e Coreia do Norte, mas aponta para outras resoluções do Conselho que pedem que Teerã interrompa suas ações com combustíveis nucleares e que Pyongyang desmantele todo seu programa nuclear.

A resolução pede que as nações cooperem, com o intuito de que a conferência de revisão do TNP possa de fato fortalecer o tratado e "estabelecer metas realistas e factíveis" em temas como não-proliferação, usos pacíficos da energia nuclear e desarmamento. O texto pede ainda que os países que não fazem parte do TNP revejam sua posição, a fim de que o tratado possa em breve servir para todos.

O encontro desta quinta-feira ocorre uma semana antes de os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança - EUA, Rússia, China, Grã-Bretanha e França - mais a Alemanha, reunirem-se com o principal negociador nuclear do Irã, Saeed Jalili, em 1º de outubro.

Diversas nações, entre elas EUA e Israel, afirmam que Teerã possui um programa secreto para produção de armas nucleares. O governo iraniano, porém, diz que apenas tem fins pacíficos, como a produção de energia. O país já foi alvo de sanções do CS por se recusar a interromper as atividades consideradas suspeitas e atrapalhar o trabalho internacional de monitoramento. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUresoluçãoproliferação nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.