ONU: Assembleia Geral condena repressão na Síria

A Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta sexta-feira por 133 votos favoráveis, 12 contrários e 31 abstenções a resolução que condena a repressão do governo do presidente sírio Bashar Assad e pede o desmantelamento das armas químicas e biológicas do arsenal de Damasco.

AE, Agência Estado

03 de agosto de 2012 | 15h41

A votação na Assembleia Geral, proposta por vários países árabes, ocorre no momento em que o Conselho de Segurança da ONU continua em impasse sobre a guerra civil na Síria. A Rússia e a China barram as resoluções que impõem mais embargos econômicos ao governo de Assad.

As resoluções aprovadas pela Assembleia Geral, ao contrário das aprovadas pelo Conselho de Segurança, não têm força de lei na comunidade internacional, embora exerçam certa pressão moral. A resolução aprovada hoje não pediu explicitamente que Assad renuncie ao poder.

Antes da votação, o secretário-geral da ONU Ban Ki-moon fez um discurso e alertou a comunidade internacional sobre a violência em curso na cidade de Alepo, onde insurgentes lutam contra as tropas do governo. Ban fez comparações entre a Síria e os genocídios que aconteceram na década de 1990 em Srebrenica, na Bósnia, e em Ruanda. "Esses atos de brutalidade que estamos assistindo podem constituir crimes contra a humanidade ou então crimes de guerra" disse Ban sobre os combates e execuções que acontecem em Alepo. "Esse atos precisam ser investigados e seus perpetradores devem ser levados à justiça".

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.