ONU busca satélites para monitorar mudança climática

Os satélites são essenciais para monitorar o clima, por fornecer uma imagem global das mudanças

STE, REUTERS

11 de janeiro de 2008 | 18h44

A Organização Meteorológica Mundial (OMM, uma agência da ONU) anunciou que pedirá na semana que vem à Nasa e a outras agências espaciais que disponibilizem sua nova geração de satélites para monitorar a mudança climática. O Brasil participará da iniciativa, junto das agências espaciais de EUA, União Européia, Japão, China, e Índia. O objetivo da OMM, que terá uma reunião nos dias 15 e 16 em New Orleans para discutir o assunto, é garantir que os satélites a serem lançados nos próximos 20 anos registrem constantemente parâmetros como nível dos mares e gases do efeito estufa na atmosfera, diz a OMM. "O principal foco da reunião da semana que vem será a expansão do sistema de observação global por satélites, não só para monitorar fatos climáticos extremos, que é sua função essencial, mas também para monitorar o clima de modo muito contínuo e de longo prazo," disse Jerome Lafeuille, técnico da OMM, em entrevista coletiva na sexta-feira em Genebra. Os satélites são essenciais para monitorar o clima, por fornecer uma imagem global das mudanças dos sistemas climáticos, da elevação dos oceanos e das consequências do efeito estufa para a terra e a atmosfera, segundo a OMM. Pelo menos 16 satélites geoestacionários e de baixa órbita fornecem dados operacionais sobre o clima do planeta, como parte do sistema global de observação da OMM. "Sabemos que há lacunas. O monitoramento climático precisa de uma continuidade de medidas em muito longo prazo", disse Lafeuille à Reuters. "Quando se olha para satélites programados nas próximas duas décadas, há vários satélites extremamente úteis, mas não há garantia de continuidade das medidas-chave." O especialista francês disse a prioridade da agência será garantir o monitoramento constante do nível dos mares e da composição da atmosfera nas próximas décadas.

Tudo o que sabemos sobre:
satéliteOMMclima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.