ONU chega a acordo sobre novas sanções contra o Irã

Representantes dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e da Alemanha chegaram na quarta-feira, 14, a um acordo informal sobre novas sanções contra o Irã, diante da recusa do país em suspender seu programa de enriquecimento de urânio.Segundo os embaixadores dos Estados Unidos, Alejandro Wolff, e da Rússia, Vitaly Churkin, na ONU, o texto da proposta de resolução será agora examinado para posterior aprovação nas capitais dos seis países.Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança são Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Rússia e China.O texto deve ser apresentado aos outros membros do Conselho de Segurança ainda nesta quinta-feira, 15, para ser votado na próxima semana.Wolff pediu que o Conselho de Segurança seja breve com a resolução, para que o Irã seja obrigado a interromper o enriquecimento de urânio ou pelo menos dar explicações de seu projeto à comunidade internacional.RestriçõesAs novas sanções deverão incluir restrições de viagens para funcionários do programa nuclear iraniano e restrições ao comércio de armas entre o Irã e outros países.Também está previsto o congelamento de bens de altos funcionários e empresas ligadas ao programa nuclear iraniano.Segundo diplomatas, a nova resolução pediria ainda que os governos não assumam novos compromissos de ajuda financeira ou empréstimos ao Irã.O Irã insiste que seu programa nuclear tem fins pacíficos. No entanto, os Estados Unidos e outros países ocidentais suspeitam que o governo de Teerã esteja planejando fabricar uma bomba nuclear.O Conselho de Segurança já havia estabelecido sanções contra o Irã em dezembro de 2006, determinando um prazo de 60 dias para que o país abandonasse seu programa nuclear.Mas um relatório da Agência Internacional de Energia Atômica divulgado no mês passado disse que o governo iraniano está expandindo o programa.O embaixador da África do Sul na ONU, Dumisani Kumalo, afirmou que os 10 membros não-permanentes do Conselho de Segurança, deixados de fora das discussões até agora, vão querer participar do debate.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.