ONU cobra controle mundial sobre material radioativo

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), vinculada à ONU, Mohamed El-Baradei, pediu hoje na sede da entidade, em Viena, que seja estabelecido um controle maior sobre as fontes de radioatividade da Terra, para proteção da espécie humana. Ele exigiu que o controle seja jeito ?do berço ao túmulo?. ?O perigo representado pela manipulação de substâncias nucleares não dissuade mais os terroristas dispostos a arriscar a própria vida?, disse o diretor da AIEA.Na abertura da conferência de três dias sobre a proteção das fontes de radioatividade, da qual participam 600 especialistas de 110 países, El-Baradei não fez referências à possibilidade de guerra no Iraque, nem à retomada de atividades nucleares pela Coréia do Norte. A despeito disso, ambos os temas estiveram presentes nos trabalhos de hoje.A atenção dos participantes da série de conferências, patrocinada pelos EUA e pela Rússia, representados por seus ministros de Energia, respectivamente Spencer Abraham e Alexander Rumjanzeve, se concentrou principalmente nas chamadas bombas sujas, que podem ser criadas pela mistura de substâncias radioativas com explosivos comuns. A explosão espalharia a radioatividade na atmosfera, causando problemas graves de saúde na população.Os Estados Unidos apresentaram um projeto para melhorar a cooperação internacional na defesa do material radioativo. O primeiro passo da iniciativa, anunmciada por Abraham, prevê uma melhora nas iniciativas nacionais para registrar e proteger as fontes de mais alto risco.O ministro americano anunciou a ampliação da cooperação trilateral, promovida pela AIEA, entre EUA, Rússia e outros países, principalmente os em desenvolvimento. Os EUA decidiram destinar US$ 3 milhões, em 2004, para a pesquisa, proteção e controle de fontes de radioatividade ainda não-registradas.Da organização da conferência participam também a Comissão Européia, a polícia européia (Europol), Interpol e a Organização Mundial de Aduanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.