Shannon Stapleton/Reuters
Shannon Stapleton/Reuters

ONU começa a avaliar adesão do Estado palestino na quarta-feira

AP garante ter apoio suficiente para reconhecimento, mas EUA prometem usar poder de veto

Reuters

26 Setembro 2011 | 18h37

Atualizado às 21h34

 

NOVA YORK - O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai se reunir na quarta-feira para iniciar os debates processuais formais para avaliar o pedido pelo reconhecimento do Estado palestino como um membro pleno da entidade internacional, disse o presidente do órgão, o libanês Nawaf Salam, nesta segunda-feira, 26.

  

Veja também:

documento HOT SITE: A busca pelo Estado palestino

lista ENTENDA: O que os palestinos buscam na ONU

especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

 

Salam, que é o atual líder rotativo do conselho, disse que a reunião ocorrerá no período da tarde da quarta-feira e que deverá fazer novas considerações sobre o assunto dois dias depois. Deve ser formado um comitê que estudará o pedido dos palestinos, feito pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, na última sexta-feira, durante a Assembleia-Geral da ONU.

 

Conforme diplomatas disseram mais cedo, a reunião desta segunda não se destinava a produzir quaisquer decisões, mas poderia dar pistas a respeito do equilíbrio de forças dentro do grupo de 15 países sobre o pedido de Abbas.

Os Estados Unidos prometeram usar seu poder de veto para rejeitar o pedido, mas se os palestinos reunirem nove votos a favor - o número necessário para aprovar uma resolução na ausência de um veto - eles obteriam uma importante demonstração de apoio internacional. Se os palestinos não conseguirem isso, Washington evitaria a necessidade de vetar o pedido, uma medida que traria constrangimento diplomático e, possivelmente, protestos antiamericanos no mundo árabe.

 

Os americanos são aliados históricos de Israel e acreditam que a solução para a questão do Estado palestino deve ser fruto de negociações entre os palestinos e o Estado judeu. Os israelenses se opõem firmemente à iniciativa da AP e acreditam que o estabelecimento da nação palestina tem como objetivo deslegitimar Israel.

 

Apenas seis países no conselho parecem certos de votar a favor da adesão palestina. Os quatro países da União Europeia devem se abster ou votar contra, enquanto Bósnia, Colômbia, Gabão e Nigéria não fizeram declarações definitivas e têm sido cortejados por Israel e palestinos. O Conselho de Segurança deverá criar nesta semana um comitê para estudar o pedido. Pode demorar um mês ou mais até que o conselho esteja pronto para votar.

Na semana passada, o "Quarteto" de mediadores do Oriente Médio apresentaram a Israel e aos palestinos um calendário para novas conversações de paz, na esperança de que, se aceito, poderia relegar a disputa na ONU para o segundo plano.

A última negociação foi interrompida há quase um ano, após Israel retomar a construção de assentamentos na Cisjordânia, na terra que os palestinos querem para um Estado próprio. Os palestinos já sinalizaram que não irão aceitar as propostas do "Quarteto", a menos que Israel suspenda os assentamentos, algo visto como altamente improvável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.