ONU condena ataque a navio sul-coreano, mas não culpa Pyongyang

Documento é aprovado por todos os 15 membros do Conselho de Segurança do órgão

Associated Press

09 de julho de 2010 | 11h06

NOVA YORK - O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) condenou nesta sexta-feira, 9, o ataque contra um navio de guerra da Coreia do Sul no dia 26 de março, quando 46 marinheiros morreram, mas não culpou a Coreia do Norte pelo ocorrido.

 

Um comunicado aprovado por todos os 15 membros do órgão expressa "grande preocupação" pelas conclusões tiradas das investigações internacionais lideradas por Seul sobre o caso. As inspeções apontam um torpedo disparado por Pyongyang como causa do naufrágio.

 

O comunicado, divulgado na manhã desta sexta na se de da ONU em Nova York, pede "medidas pacíficas e apropriadas a serem tomadas contra os responsáveis pelo caso". O texto, porém, não identifica esses responsáveis e registra as alegações norte-coreanas "de que não tem nada a ver com o incidente".

 

A Coreia do Sul queria a condenação da Coreia do Norte por parte do Conselho de Segurança, mas a China, membro permanente do Conselho e aliado de Pyongyang, vetou a decisão.

 

As investigações sobre o naufrágio apontaram os norte-coreanos como responsáveis. A Coreia do Norte, porém, negou as acusações, disse que tudo era "invenção de Seul" e alertou que se o Conselho de Segurança da ONU tomasse qualquer medida que prejudicasse o país, haveria uma resposta militar.

 

O episódio do navio elevou a tensão entre as duas Coreias, tecnicamente em guerra desde 1950, quando começou a Guerra da Coreia. O conflito nunca foi formalmente encerrado e os dois lados permanecem apenas em trégua, embora haja atritos frequentemente.

 

Outra questão que gera impasse é o programa nuclear norte-coreano, considerado uma ameaça pelo sul. Pyongyang se recusa a retornar à mesa de negociações para abandonar os projetos atômicos e diz que só o fará se a Guerra da Coreia for encerrada formalmente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.