ONU condena ataque com Katyusha em visita de Ban a Bagdá

O Conselho de Segurança da ONU condenou nesta quinta-feira, 22, o "abominável ataque terrorista" ocorrido durante uma visita surpresa do secretário-geral Ban Ki-moon a Bagdá.Um foguete Katyusha caiu perto do local em que Ban concedia uma entrevista coletiva ao lado do primeiro-ministro Nuri al-Maliki. Não houve feridos. Assustado, o sul-coreano se escondeu atrás de uma bancada antes de voltar a responder as perguntas. Segundo a Associated Press, o ataque teria sido perpetrado a partir de uma área predominante xiita na margem leste do Rio Tigre. A região altamente resguardada conhecida como Zona Verde, onde Ban concedida a entrevista, fica no lado oposto do leito. O Conselho posicionou-se sobre o ataque por meio de nota lida pelo diplomata sul-africano Dumisani Kumalo, que preside o órgão neste mês: "Os membros do Conselho de Segurança ficaram chocados e condenaram fortemente o abominável ataque terrorista contra o gabinete do primeiro-ministro do Iraque, onde o secretário-geral participava de uma entrevista coletiva conjunta."Os 15 integrantes do órgão também "manifestaram seu inabalável apoio aos esforços da ONU e de seu secretário-geral para promover um processo político inclusivo e efetivo no Iraque, destinado a alcançar a reconciliação nacional", disse Kumalo.A missão da ONU em Bagdá está investigando o incidente, segundo Mari Okabe, porta-voz de Ban. A missão está praticamente fechada desde agosto de 2003, quando um caminhão-bomba matou seu chefe, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello e mais 23 pessoas. Atualmente, segundo Okabe, há 65 estrangeiros e cerca de 130 iraquianos trabalhando ali.Apoio da ONUO governo do Iraque vinha pressionando silenciosamente para que a ONU desempenhasse um papel mais ativo na reconstrução do país, e usava a suposta diminuição na violência desde a implantação de um plano de segurança há seis semanas como argumento de que Bagdá volta à normalidade após quatro anos de derramamento de sangue."Nós consideramos isso (a diminuição da violência) uma mensagem positiva ao mundo na qual confirmamos que Bagdá está voltando a desempenhar o papel de receber importantes líderes globais após conseguir grandes avanços no caminho para a estabilidade", disse Maliki na abertura do encontro, minutos antes da explosão.Ban faz a primeira visita de um secretário-geral da ONU ao Iraque desde que Kofi Annan esteve no país, em novembro de 2005. Na sexta-feira, Ban vai ao Egito, e de lá para Cisjordânia, Israel, Jordânia e Arábia Saudita, onde assiste à cúpula da Liga Árabe, de acordo com a porta-voz.PavorCaptada pelas câmaras de TV que registravam a coletiva, a reação de Ban ao ataque foi de pavor (veja vídeo ao lado). O secretário-geral agachou-se, fez careta e reuniu rapidamente suas notas depois da explosão na Zona Verde. Minutos antes, ele havia afirmado que o Iraque encontra-se "na rota para a estabilidade".Sem fazer referência ao episódio, o secretário-geral recompôs-se e respondeu mais uma pergunta de um jornalista antes de deixar a sala na qual estava. Ban afirmou ter realizado um "encontro muito bom" com Maliki e prometeu apoio da ONU ao governo dele.Não foram divulgados detalhes sobre o local exato atingido pelo foguete, danos provocados ou número de vítimas.ViolênciaApesar das declarações de Ban sobre "estabilidade", a viagem do secretário-geral acontece em meio a um cenário de aparente recrudescimento da violência.Três soldados dos EUA teriam sido mortos no país e milícias xiitas rivais entraram em choque em Basra, a segunda maior cidade do Iraque.Forças americanas também anunciaram a captura de um importante assessor do clérigo radical Moqtada al-Sadr acusado de envolvimento na morte de cinco soldados norte-americanos na cidade de Kerbala, em janeiro.Além disso, ao menos 40 iraquianos morreram ou foram encontrados mortos nesta quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.