ONU condena ataque da Coreia do Norte e pede moderação

Entidade afirma que o episódio é o mais grave na Península 'desde o fim da Guerra da Coreia'

Reuters

23 de novembro de 2010 | 16h03

NOVA YORK - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, condenou nesta terça-feira, 23, o ataque de artilharia desferido pela Coreia do Norte contra uma ilha sul-coreana, em um dos incidentes mais graves desde o fim da Guerra da Coreia.

 

Veja também:

blog Radar Global: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países

"O secretário-geral está profundamente preocupado com a escalada das tensões na Península Coreana causada pelo ataque de artilharia promovido pela República Democrática Popular da Coreia (Coreia do Norte) na ilha de Yeongpyeong", disse a assessoria de imprensa da entidade em comunicado.

"O ataque foi um dos incidentes mais graves desde o fim da Guerra da Coreia", seguiu o comunicado. "O secretário-geral condena o ataque e pede por moderação imediata."

A Coreia do Norte fez dezenas de disparos de artilharia contra a ilha na terça-feira, matando dois soldados, em um dos ataques mais pesados contra o país vizinho desde o fim da Guerra da Coreia, em 1953.

O comunicado afirmou que Ban, que já foi ministro das Relações Exteriores sul-coreano, insiste que as diferenças entre o Norte e o Sul "devem ser resolvidas com o diálogo e por meios pacíficos."

O documento diz que o chefe da ONU expressou sua preocupação em novembro ao presidente do Conselho de Segurança, o embaixador britânico Mark Lyall Grant.

Um diplomata do Conselho disse que o grupo deve discutir na terça-feira a questão da Coreia do Norte, depois de uma sessão a portas fechadas previamente marcada sobre o Oriente Médio.

 

Leia ainda:

linkEUA e UE condenam ataque norte-coreano

linkJapão fica em alerta devido a conflito entre Coreias

linkPyongyang acusa Seul de disparar primeiro

O Conselho de Segurança da ONU é composto por 15 países, sendo cinco deles membros-permanentes com poder de veto: EUA, França, Reino Unido, Rússia e China.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.