ONU condena governo sírio por matança em Houla

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) condenou na noite deste domingo "nos mais fortes termos" o governo da Síria pelo massacre em Houla, no qual pelo menos 108 pessoas, incluídas 49 crianças, foram mortas. Um comunicado de consenso adotado pelos 15 países do Conselho, incluída a Rússia, aliada da Síria, disse que os ataques em Houla "envolveram artilharia e tanques do governo contra um bairro residencial" e novamente pediu ao governo do presidente sírio Bashar Assad que retire equipamento militar pesado das cidades sírias.

ANDRÉ LACHINI, Agência Estado

27 Maio 2012 | 20h17

"Os membros do Conselho de Segurança reiteram que toda a violência em todas as formas, desfechada por todas as partes, precisa acabar. Os responsáveis por atos violentos precisam prestar conta do que fizeram", disse o comunicado.

Observadores da ONU que foram a Houla disseram ter visto pelo menos 108 corpos, incluídos os de 49 crianças e de sete mulheres, disse a ONU. O embaixador da Grã-Bretanha na ONU, Mark Lyall-Grant, disse que o comunicado do Conselho, embora importante, não é suficiente. "Durante os próximos dois dias o Conselho de Segurança se reunirá novamente para discutir em detalhes quais passos serão tomados", afirmou. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
SíriamassacreONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.