ONU condena 'punição coletiva' de Israel a palestinos

Israel tem o direito de responderaos foguetes disparados por militantes palestinos, mas nãopunindo coletivamente a população da Faixa de Gaza, disse nasexta-feira o subsecretário-geral de assuntos humanitários daONU, John Holmes. "Todos entendemos os problemas de segurança e a necessidadede responder a isso, mas a punição coletiva do povo de Gaza nãoé, acreditamos, a forma apropriada de fazer isso", disseHolmes. Ele também criticou a decisão de sexta-feira de Israel defechar todas as suas fronteiras com a Faixa de Gaza, o queimpediu a entrega de ajuda humanitária da ONU na região, onde amaior parte dos 1,5 milhão de habitantes depende dacontribuição externa. "Fico profundamente preocupado com o fechamento por Israelde todos os pontos de passagem entre Gaza e Israel, porque elessão uma linha vital para a entrega de assistência humanitária eoutros bens a Gaza", afirmou Holmes, alertando que a medidapode agravar a escassez de alimentos, remédios e outrosprodutos essenciais. "Esse tipo de ação contra o povo de Gaza não pode serjustificada, nem pelos ataques de foguetes", afirmou. O embaixador de Israel nas Nações Unidas, Dan Gillerman,não foi localizado para comentar as declarações. Holmes também pediu ao grupo islâmico palestino Hamas, quetomou o controle de Gaza em junho passado, que use suaautoridade para impedir o disparo de foguetes. "Estou pedindo aos líderes do Hamas para fazerem tudo quepodem para parar esse ataques. Eles dizem estar no controle deGaza, portanto têm a responsabilidade de parar os ataques",afirmou. Israel matou pelo menos 33 palestinos nesta semana em Gaza,sob a justificativa de estar pressionando o Hamas a conter osfoguetes. Militantes dispararam mais de 110 dessas peças contrao território israelense nos últimos três dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.