ONU condiciona retomada de ajuda a Gaza a cessar-fogo

A Organização das Nações Unidas (ONU) manteve suspenso hoje o envio de ajuda humanitária para a Faixa de Gaza, após Israel e o Hamas terem ignorado a exigência de cessar-fogo feita pelo Conselho de Segurança. Os palestinos que se arriscam a ir até os centros de distribuição, porém, continuam a receber comida e remédios. A porta-voz da ONU, Marie Heuze, disse hoje que o envio de ajuda humanitária será retomado depois da efetivação do cessar-fogo em Gaza. A Agência de Assistência aos Refugiados suspendeu suas entregas de suprimentos para Gaza ontem, depois de ataques israelenses terem matado dois motoristas da agência e ferido um terceiro. Todos estavam em veículos claramente identificados como pertencentes à agência. Apesar do pedido de cessar-fogo feito pelo Conselho de Segurança da ONU, Israel manteve sua ofensiva contra os militantes do Hamas e o grupo respondeu com o lançamento de vários foguetes. Os dois lados disseram que vão ignorar o pedido para que baixem suas armas e, assim, encerrarem 14 dias de confrontos que já mataram cerca de 760 palestinos e 13 israelenses. A porta-voz da Agência de Assistência aos Refugiados da ONU, Elena Mancusi Materi, disse que os caminhões da instituição só voltarão a rodar por Gaza se Israel prometer não atirar contra os veículos. A agência e a empresa de transportes contratada para fazer os carregamentos terão de ser receber garantias de segurança de Israel, disse ela. O Programa Mundial de Alimentos e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) informaram que também não irão enviar suprimentos para Gaza. Mas as agências disseram que continuam a operar no território palestino, já que 1 milhão de pessoas estão sem eletricidade e 750 mil estão sem água encanada, segundo a agência da ONU. O Programa Mundial de Alimentos tem estocado quase 2 mil toneladas de alimentos em Gaza, o suficiente para alimentar até 130 mil pessoas até fevereiro, disse a porta-voz Emilia Cassell. Mas a agência precisa de mais 130 carregamentos de comida para assegurar o suprimento depois desse período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.