Mostafa El Shemy/AP
Mostafa El Shemy/AP

ONU critica decreto que amplia poderes do presidente no Egito

'Tememos que isso leve a uma situação muito volátil', disse porta-voz da alta comissária de Direitos Humanos da ONU

Reuters

23 de novembro de 2012 | 10h40

GENEBRA - O decreto pelo qual o presidente do Egito, Mohamed Morsi, ampliou seus próprios poderes causa gravíssimas preocupações relativas aos direitos humanos, disse nesta sexta-feira, 23, um porta-voz da alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay.

O decreto foi bem recebido por aliados de Morsi, mas gerou temores entre egípcios de orientação laica, preocupados com o domínio da Irmandade Muçulmana na atual etapa política do país. Entre outros itens, o decreto prevê que todas as decisões tomadas por Morsi até a eleição de um novo Parlamento não podem ser judicialmente contestadas. Ele determina também um novo julgamento para o ex-presidente Hosni Mubarak e seus assessores.

"Estamos preocupados com as possíveis enormes ramificações desta declaração sobre os direitos humanos e o Estado de direito no Egito", disse Rupert Colville, porta-voz de Pillay em Genebra. "Também tememos que isso leve a uma situação muito volátil nos próximos dias, começando, na verdade, por hoje."

Colville não especificou quais partes do decreto são mais preocupantes. Ele disse que o texto é muito longo, e que uma análise mais completa será divulgada pelo gabinete de Pillay no máximo até sábado.

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeEgitoMohamed Morsi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.