Mohammed Dabbous/Reuters
Mohammed Dabbous/Reuters

ONU critica plano militar da Europa para combater tráfico de pessoas

União Europeia planeja fazer uma operação naval no Mar Mediterrâneo que poderia - com apoio internacional - buscar, capturar e destruir navios usados pelos traficantes

O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2015 | 15h41

BRUXELAS - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, afirmou que tem reservas quanto à resposta militar europeia ao problema dos refugiados e disse que se opõe aos esforços para destruir embarcações que gangues de traficantes têm usado para transportar pessoas da Líbia para a Europa.

A União Europeia (UE) planeja fazer uma operação naval no Mar Mediterrâneo que poderia - com apoio internacional - buscar, capturar e destruir navios usados pelos traficantes. O bloco pediu apoio do Conselho de Segurança da ONU e do governo da Líbia para o plano.

Em Bruxelaas, em entrevista ao lado do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, Ban disse que qualquer ação militar teria "eficiência limitada" para solucionar o problema. Ban afirmou que apoia um fortalecimento da capacidade militar para procurar e resgatar as pessoas. "Nossa prioridade deve ser o salvamento de vidas", declarou.

No entanto, Ban argumentou que destruir navios poderia privar os imigrantes de um dos limitados meios que encontram para sobreviver. O líder da ONU disse que pediu aos governos que lidem com o desafio da imigração de forma "abrangente", incluindo o fornecimento de canais legais para a entrada dessas pessoas na Europa e uma ação para tratar das razões pelas quais elas fogem de seus países.

Ban elogiou os planos estabelecidos pela Comissão Europeia para redistribuir 40 mil imigrantes da Síria e da Eritreia que chegaram à Itália e à Grécia e receber mais 20 mil refugiados de fora da Europa. Segundo Ban, esse é um movimento na direção correta. / DOW JONES NEWSWIRES

Tudo o que sabemos sobre:
EuropaONUcrise migratória

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.