ONU define metas para tirar 3 milhões de crianças da pobreza

Tirar milhões de crianças da situação de pobreza no prazo de uma geração. Esse é o plano que a ONU colocará em prática a partir do mês que vem, quando os 189 países da organização se reúnem em Nova York para estabelecer metas para melhorar a situação das crianças no mundo. Durante a Conferência Mundial sobre a Infância, os governos devem adotar 21 metas sobre saúde, combate à pobreza, educação e exploração sexual de crianças. "Sem metas, não temos como medir nossos sucessos e fracassos", afirmou Patrícia Durrant, presidente da Conferência. A conferência estava programada para ocorrer em meados de setembro de 2001. Mas os ataques terroristas aos Estados Unidos obrigaram uma mudança no calendário da ONU. A principal meta será a redução da mortalidade de crianças com menos de cinco anos de idade em um terço dos níveis atuais até 2010. A educação também será um dos focos do plano da ONU. A idéia é de que os países adotem políticas para a redução em 50% do número de crianças fora da escola até 2010, além de garantir que 90% das crianças nas salas de aula possam ter uma educação de qualidade. Outra medida será garantir a proteção das crianças contra todas as formas de abuso, exploração e violência. Uma das preocupações da ONU é com a exploração sexual sofrida por menores de 18 anos. FracassoNão é a primeira vez que a comunidade internacional estabelece metas no que se refere às condições de vida de crianças. Em 1990, a Unicef indicou 27 metas a serem seguidas pelos governos até o ano 2000. Desse total, porém, apenas seis objetivos foram atingidos, entre elas a redução em 10% do nível de mortalidade de crianças com menos de cinco anos de idade. Segundo a Unicef, 11 milhões de crianças ainda morrem por ano no mundo e a maioria dos casos poderia ser evitado com programas relativamente simples. Além disso, 150 milhões de crianças passam fome e 120 milhões não vão à escola. "Precisamos investir em crianças", afirma a diretora da Unicef, Carol Bellamy.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.