ONU define morte de Bin Laden como 'marco decisivo', embora ameaça continue

Organização diz que a morte do mentor do 11 de setembro não significa o fim da Al Qaeda, tampouco do terrorismo

Efe,

17 de maio de 2011 | 00h57

NAÇÕES UNIDAS - O Conselho de Segurança da ONU alertou nesta segunda-feira, 16, que, embora a morte de Osama bin Laden seja "um marco decisivo" na luta contra o terrorismo, não constitui o fim da Al Qaeda tampouco do terrorismo, por isso reiterou o compromisso de todos os estados em acabar com essa ameaça.

 

"A morte de Bin Laden constitui claramente um marco decisivo e um ponto de inflexão. No entanto, não se trata nem do fim da Al Qaeda nem do fim do terrorismo", declarou o embaixador alemão na ONU, Peter Wittig, coordenador do Comitê de Sanções do organismo contra Al Qaeda e os talibãs.

 

Wittig informou ao Conselho sobre o trabalho do comitê em uma reunião dedicada ao terrorismo e na qual o diplomata germânico garantiu que está estudando o impacto que terá sobre o trabalho do grupo que analisa a morte do mentor dos atentados contra os EUA de 11 de setembro de 2001.

 

Os participantes coincidiram em mostrar seu compromisso na luta contra o terrorismo internacional durante uma reunião na qual a França, que ostenta a Presidência rotativa do Conselho, pediu a "todos os estados-membros da ONU" que continuem "sem descanso no combate aos criminosos da Al Qaeda", segundo indicou seu representante, Martin Briens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.