ONU denuncia contrabando de armas entre Líbano e Síria

Armas estão sendo contrabandeadas entre o Líbano e a Síria, onde um levante popular que já dura 14 meses levou o país à beira de uma guerra civil, denunciou a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira.

MICHELLE NICHOLS, REUTERS

08 Maio 2012 | 21h04

A Síria tem dito repetidamente que armas estão sendo contrabandeadas do Líbano e de outros países para armar rebeldes que lutam contra o presidente sírio, Bashar al-Assad. Diplomatas ocidentais e autoridades da ONU alegam que embora os rebeldes tenham recebido algumas armas, eles permanecem severamente desarmados.

Forças de segurança mataram pelo menos 10 pessoas nos confrontos pelo país nesta terça-feira, disseram ativistas. O mediador internacional, Kofi Annan, a Cruz Vermelha e a Liga Árabe advertiram que o país estava descambando para uma guerra civil.

"Com base nas informações que temos, há razões para acreditar que há um fluxo de armas em ambos os caminhos, do Líbano para a Síria e da Síria para o Líbano", disse Terje Roed-Larsen, o enviado especial da ONU para implementação de uma resolução do Conselho de Segurança que exige o desarmamento da milícia libanesa.

"Não temos observadores independentes para isso, mas estamos baseando nosso relatório nas informações que estamos recebendo de uma variedade de fontes", ele disse a repórteres após discursar para o conselho formado por 15 países.

De acordo com observações de Roed-Larsen, ele disse ao conselho que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, citou às autoridades libanesas a questão da transferência de armas na fronteira durante uma visita recente a Beirute, pedindo que o país intensifique o controle fronteiriço.

Autoridades libanesas apreenderam 60.000 cartuchos de munição escondidos em dois carros em um navio cargueiro italiano atracado no porto de Trípoli, norte do Líbano. Trípoli, uma cidade majoritariamente sunita, tem visto protestos regulares em apoio à revolta contra Assad.

Mais conteúdo sobre:
ONU ARMAS LIBANO SIRIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.