ONU denuncia "excessos no uso da força" na Bolívia

Especialistas da ONU para o combate à tortura, execuções sumárias, para a liberdade de expressão e para a proteção de povos indígenas acusam o governo da Bolívia de cometer "excessos" nos embates com manifestantes nos últimos dias. Segundo os especialistas, teria sido esses "excessos no uso da força" a causa da morte de mais de cinqüenta pessoas e de centenas de feridos. Existe a preocupação de que novos incidentes ocorram nos próximos dias.Por isso, a ONU pede que o governo de La Paz tome as medidas necessárias para garantir a "total proteção dos direitos humanos dos manifestantes, inclusive o direito de que se reúnam e realizem protestos". Também querem que as autoridades bolivianas garantam que os policiais que estejam trabalhando para conter as manifestações não usem de seu poder para torturar ou até matar os ativistas.Apesar de demonstrar preocupação com a situação boliviana nos últimos dias, a ONU não prevê, pelo menos por enquanto, o envio de alimentos ou remédios para o país. O Programa Mundial de Alimentação, por exemplo, reconhece não haver nenhuma estrutura montada para atender os bolivianos em caso de emergência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.