Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Carlos Garcia Rawlins/Reuters

ONU denuncia Maduro por fechar país a inspetores internacionais

Alto comissário das Nações Unidas para Direitos Humanos questionou o que o país estaria escondendo

Jamil Chade, correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2016 | 07h16

GENEBRA - O governo de Nicolás Maduro volta a fechar as portas da Venezuela à ONU e leva a entidade a denunciar publicamente Caracas pela proibição estabelecida para a entrada de inspetores no país. "O que exatamente vocês estão escondendo de nós?", questionou o alto comissário da ONU para Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein. 

"Pelos últimos dois anos e meio, a Venezuela recusou até mesmo emitir um visto ao meu representante regional", explicou Hussein. O Estado havia revelado, em junho, que quatro pedidos de visto haviam sido já negados por Caracas. 

"A recusa completa de acesso a meus funcionários é particularmente chocante, diante das preocupações profundas relacionadas a alegações de repressão de vozes opositoras e da sociedade civil, de prisões arbitrárias, do uso de força exagerada contra manifestantes pacíficos, da erosão da independência da Justiça e da dramática queda dos direitos sociais e econômicos, com fome disseminada e deterioração do sistema de saúde", disse. 

Hussein insiste que vai continuar a monitorar a situação na Venezuela, mesmo diante da recusa do governo em aceitar uma visita da entidade. "Vamos declarar nossa preocupação sobre os direitos humanos dos venezuelanos a cada oportunidade", prometeu. Sua avaliação é de que um debate sobre a crise poderia abrir espaço para que governo e oposição voltem a manter um diálogo. 

Num alerta ao governo de Caracas e a qualquer outro que tenha impedido a entrada da ONU, como a Síria, Hussein deixou claro que não aceitar a visita da entidade não o silenciará. "Por qual razão aqueles que nos negam acesso colocam seus escudos contra nós?", questionou. 

"Violações de direitos humanos não desaparecerão se um governo bloqueia acesso a observadores internacionais e depois investe em campanhas de relações públicas para compensar alguma publicidade indesejada", alertou. Pelo contrário, esforços para abafar um escrutínio legítimo levantam dúvidas", insistiu. 

"Estados podem fechar meu escritório. Mas não vão me silenciar e nem me cegar", alertou Hussein. "Se o acesso é recusado, vamos imaginar que o pior esteja ocorrendo, ainda que façamos o que for preciso diante de sérias alegações", explicou. 

Falando aos governos da ONU, entre eles, à delegação da Venezuela, ele indicou que o monitoramento vai continuar, com testemunhas, imagens de satélite e informes de terceiros que a entidade considere confiável. 

Hussein, porém, admite que o monitoramento remoto não pode substituir as observações de inspetores enviados ao país. "Pedimos a todos que deem acesso irrestrito à minha equipe", apelou. 

Na sala do Conselho de Direitos Humanos da ONU, a delegação da Venezuela prometeu uma resposta oficial na reunião da entidade na quarta-feira. 

Veja abaixo: Caos na Venezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.