ONU deve considerar custo humano de guerra, pede Anistia

A Anistia Internacional pediu à Organização das Nações Unidas (ONU) que leve em consideração o custo humano de uma eventual guerra contra o Iraque, lembrando que o conflito armado levaria centenas de milhares de pessoas a buscarem refúgio nas fronteiras do país.O grupo pediu o envio de monitores de direitos humanos ao Iraque, alertando que uma guerra poderia aumentar a repressão por parte do regime de Saddam Hussein e colocar em risco a vida de milhões de pessoas já enfraquecidas por mais de uma década de sanções internacionais impostas ao governo iraquiano."O que queremos fazer é lançar uma luz sobre a situação do povo no Iraque", disse Irene Khan, secretária-geral da Anistia Internacional, a jornalistas em Londres. "Até agora, discutiu-se apenas sobre mísseis e nada se falou sobre pessoas."O grupo teme que a comunidade internacional ainda não se tenha preparado para um desastre humanitário, que poderia ser bem mais grave que o da Guerra do Golfo, em 1991, quando o conflito gerou mais de 1 milhão de refugiados.Relatórios da ONU sobre a possibilidade de uma nova guerra calcula em 2 milhões o número de os refugiados internos, e em quase 1 milhão o de iraquianos que deverá tentar atravessar a fronteira com o Irã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.