"ONU deve ser o centro de gravidade", diz UE

O alto representante para a política exterior da União Européia (UE), Javier Solana, afirmou hoje, durante uma coletiva, em Bruxelas, que a "ONU deve continuar sendo o centro de gravidade" na questão da crise do Iraque. Solana analisou de forma positiva o anúncio de que o secretário de Estado dos Estados Unidos, Colin Powell, divirá as informações com a ONU, até agora secretas, sobre as supostas ameaças que representam o regime iraquiano de Saddam Hussein. Ele insistiu de que a "UE continua acreditando que o lugar para tratar deste assunto é o Conselho de Segurança" da ONU, onde foi adotada "por unanimidade", lembrou Solana, a resolução 1.441, que deveria ser aplicada "da mesma forma". O chanceler comunitário acrescentou que "não há dúvida, depois do informe dos inspetores Hans Blix e Mohamed el Baradei, de que a responsabilidade está nas mãos de Saddam Hussein, que deve cooperar rapidamente com esses inspetores".Por outro lado, Solana acredita que "ainda é cedo" para propor uma segunda resolução do Conselho de Segurança que autorize uma ação militar contra o Iraque. "Estou convencido que devemos pôr sobre a mesa todos os elementos para evitar uma catástrofe", concluiu, referindo-se à mensagem sobre o Estado da União do presidente norte-americano George W. Bush, quando prometeu apresentar ao Conselho de Segurança, no próximo dia 5 de fevereiro, as provas de que o Iraque possui armas de destruição em massa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.