ONU diz que 13,6 milhões foram desabrigados por guerras no Iraque e na Síria

Cerca de 13,6 milhões de pessoas, o equivalente à população de Londres, ficaram desabrigadas por causa dos conflitos no Iraque e na Síria, e muitas estão sem comida nem abrigo às vésperas do inverno local, informou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) nesta terça-feira.

REUTERS

11 Novembro 2014 | 19h44

Amin Awad, diretor do Acnur para o Oriente Médio e o norte da África, disse que o mundo está ficando indiferente às necessidades dos refugiados.

“Agora, quando falamos de um milhão de pessoas deslocadas ao longo de dois meses, ou 500 mil da noite para o dia, o mundo simplesmente não reage”, declarou ele aos repórteres em Genebra.

Entre as 13,6 milhões de pessoas estão 7,2 milhões de desabrigadas dentro da Síria – um aumento em relação a uma estimativa de 6,5 milhões que a Organização das Nações Unidas (ONU) manteve durante muito tempo – , assim como 3,3 milhões de refugiados sírios no exterior.

No Iraque, 1,9 milhão de pessoas foram deslocadas neste ano por combates tribais e pelo avanço do Estado Islâmico e se somam ao um milhão de pessoas anteriormente desabrigadas, e 190 mil deixaram o país em busca de segurança.

A grande maioria dos refugiados sírios foram para Líbano, Jordânia, Iraque ou Turquia, nações que Awad disse “estarem causando vergonha a todos nós” por seu apoio às famílias sírias sem teto.

“Outros países do mundo, especialmente na Europa e além, deveriam abrir suas fronteiras e dividir a responsabilidade”.

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU reduziu as porções de 4,25 milhões de pessoas, e a falta de fundos pode levar a uma interrupção em seus suprimentos para os refugiados no mês que vem, afirmou a porta-voz Elisabeth Byrs à Reuters.

Recentemente o PMA recebeu novas promessas que podem evitar cortes imediatos, disse Byrs, embora ainda precise de 325 milhões de dólares para cobrir suas operações na Síria e na região até o final de 2014.

“Até que estas promessas sejam confirmadas, a situação atual do financiamento do PMA continua crítica, e antecipamos cortes na assistência durante o próximo inverno”, declarou ela.

O Acnur diz necessitar de 58,5 milhões de dólares em doações para preparar 990 mil pessoas para o inverno, o que o obriga a priorizar a ajuda para pessoas em altitudes mais altas e frias e para casos mais vulneráveis, como recém-nascidos.

Cifras da ONU mostram que entre os principais doadores estão a União Europeia, os Estados Unidos, o Japão, a Noruega e alguns países do Golfo Pérsico. Os dados ainda revelam que a Rússia e a China providenciaram, cada uma, só 0,1 por cento do total de fundos humanitários arrecadados por doadores este ano para a Síria.

Awad disse que os dois países deveriam fazer mais.

“Politicamente eles não podem ser de fato indiferentes, portando a ajuda humanitária é um imperativo e deve ser posta acima de tudo se não houver um entendimento (político)… eles precisam contribuir de uma maneira ou de outra, como fazem os outros”, afirmou.

(Por Tom Miles)

Mais conteúdo sobre:
ONUDESABRIGADOSIRAQUESIRIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.