REUTERS/Christian Veron
REUTERS/Christian Veron

ONU diz que 800 venezuelanos cruzam a fronteira para o Brasil por dia

Alto Comissariado para Refugiados diz estar sem recursos financeiros para auxiliar o País na recepção dos refugiados

Jamil Chade, correspondente / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2018 | 11h35

GENEBRA - O Alto Comissariado da ONU para Refugiados afirmou nesta sexta-feira, 6, que a cada dia 800 venezuelanos cruzam a fronteira em direção ao Brasil, num fluxo que não deve diminuir nos próximos meses. A entidade alertou ainda que está sem recursos financeiros para bancar os planos de ajuda financeira internacional à crise dos venezuelanos no País. Dos US$ 46 milhões que a ONU solicitou para auxiliar o Brasil, a comunidade internacional disponibilizou 4% desse valor. 

De acordo com William Spindler, porta-voz do Acnur, a ONU e o governo brasileiro aumentarão sua capacidade de atuação na região de fronteira diante do "crescente número de venezuelanos chegando no norte do País com necessidades cada vez maiores". "Pedimos que a comunidade internacional de mais apoio ao Brasil, que tem sido generoso em sua resposta e precisa fortalecer sua capacidade de recepção, evitando discriminação contra venezuelanos e garantindo uma coexistência pacífica", disse o porta-voz. 

+ O elo entre Maduro, Odebrecht e BNDES

O que a ONU também constata é que a onda mais recente de refugiados tem sido marcada pelas condições cada vez mais precárias dos venezuelanos que chegam. "À medida que a situação política e econômica complexa continua a se deteriorar, os venezuelanos chegando estão mais desesperados por alimentos, abrigo e saúde", explicou Spindler. 

Desde o começo de 2017, 52 mil venezuelanos entraram no Brasil, sendo que 40 mil deles estariam em Boa Vista, Roraima, e 25 mil pediram asilo. 

+ Venezuelanos preferem lavar privadas nos EUA a morar no país do chavismo

Para o Acnur, a chegada em massa dos venezuelanos deixou os serviços básicos em Roraima em uma situação crítica. De acordo com a agência da ONU, o governo brasileiro anunciou um pacote de R$ 190 milhões para saúde e saneamento, além de declarar estado de emergência na região. O Acnur garante que vai continuar a trabalhar com as autoridades brasileiras para registrar os refugiados e garantir que tenham acesso a saúde, educação e outros serviços. 

Riscos.

A agência elogiou os trabalhos do governo brasileiro e agradeceu o fato de o País manter aberta suas fronteiras. Ainda assim, afirmou estar "cada vez mais preocupada com os riscos crescentes enfrentados pelos venezuelanos que estão vivendo nas ruas, incluindo exploração sexual e violência". 

+ Completar álbum da Copa na Venezuela custa 37 salários mínimos

Dois novos abrigos foram abertos em Boa Vista para lidar com esse fluxo. Mas, com 500 vagas cada, ambos estão praticamente lotados. Prioridade é dada a crianças, mulheres grávidas e idosos. Os locais estão sendo administrados pelo Acnur, enquanto as Forças Armadas distribuem alimentos. 

Uma das prioridades do Acnur é realocar muitos desses venezuelanos para outras partes do Brasil. "Isso vai dar uma solução de longo prazo para pessoas que precisam de ajuda e reduzir a tensão sobre comunidades locais no Estado de Roraima", afirmou o porta-voz. 

+ THE ECONOMIST: Por que os venezuelanos mineram tanto bitcoin

A cada semana, dois voos levam os venezuelanos para fora de Roraima. Na quinta-feira 5, os primeiros 104 estrangeiros chegaram a São Paulo. Um segundo voo deve deixar a região nesta sexta-feira para levar outros venezuelanos para a capital paulista e para Cuiabá. No total, 277 pessoas serão transportadas nesta sexta.

No total, a ONU diz que 600 venezuelanos já foram realocados, mas estima que 77% dos estrangeiros em Roraima esperam ser beneficiados pela distribuição pelo País. 

Críticas.

A agência da ONU criticou a recente declaração do deputado e pré-candidato à presidência do País Jair Bolsonaro, que afirmou a intenção de criar campos de refugiados no norte do País para os venezuelanos caso fosse eleito. 

"Criar campos de refugiados não é a melhor opção", disse Spindler. "Na América do Sul, nunca tivemos campos de refugiados. Centenas de milhares de colombianos deixaram seu país em décadas e foram abrigados por comunidades. Essa é a tradição e esperamos que isso (criar campos de refugiados) não seja feito", completou o representante da ONU.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.