ONU diz que Baby Doc poderia ser julgado no Haiti

Órgão, porém, duvida se Justiça haitiana estaria em posição de conduzir caso contra ex-ditador

Agência Estado

18 de janeiro de 2011 | 09h52

GENEBRA - O escritório da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos disse hoje que o retorno do ex-ditador haitiano Jean Claude "Baby Doc" Duvalier ao país aumenta as possibilidades de que ele seja acusado pelas atrocidades cometidas durante sua ditadura de 15 anos no país. Duvalier viveu na França nos últimos 25 anos, após uma rebelião popular que o obrigou a se exilar. No domingo, retornou ao Haiti.

 

Rupert Colville, um porta-voz da Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, disse que seria mais fácil apresentar acusações contra Duvalier no Haiti, pois os supostos crimes imputados a ele ocorreram ali. Ele advertiu, porém, que não está claro se o frágil sistema judicial haitiano está em posição de conduzir o caso.

 

A polícia secreta de Duvalier é acusada de torturar e assassinar seus opositores políticos durante seu tempo no poder. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
HaitiBaby DocONUacusação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.