Maxim Shemetov/Reuters
Maxim Shemetov/Reuters

ONU diz que número de mortos no leste da Ucrânia chega a 4.707

Apesar do cessar-fogo anunciado no início de setembro, 1357 pessoas morreram nesse período, de acordo com a Organização

AE, Estadão Conteúdo

15 de dezembro de 2014 | 12h13

As disputas no leste da Ucrânia já tiraram a vida de, pelo menos, 4,707 mil pessoas desde que os confrontos começaram em meados de abril, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU). Mais de um quarto desse total foi registrado no período de cessar-fogo.

Em um novo relatório, divulgado neste início de semana, a equipe da ONU na Ucrânia disse que, pelo menos, 1,357 mil mortes foram registradas desde o cessar-fogo, que começou no início de setembro, mas o grupo observou que algumas dessas mortes podem ter ocorrido antes.

Um total de 10,322 mil pessoas ficaram feridas nas áreas atingidas pelo conflito do leste da Ucrânia, onde mais de 5 milhões de pessoas estão enfrentando crescentes dificuldades, de acordo com o relatório. As populações mais vulneráveis, como os idosos, crianças e pessoas em atendimento institucional do Estado, estão sendo particularmente atingidas por problemas nos serviços sociais e médicos.

"A situação de muitas pessoas, inclusive aquelas detidas contra vontade, em áreas sob o controle dos grupos armados pode muito bem ser risco contra a vida", disse o alto comissário da ONU para os direitos humanos, Zeid Raad al-Hussein. "O governo da Ucrânia continua a ser responsável por proteger os direitos humanos de todos os ucranianos, incluindo o direito à saúde, educação e segurança social, em todo o seu território, incluindo as zonas que não controla totalmente".

O documento da ONU teve como base relatórios de uma missão de monitoramento de 34 membros da ONU na Ucrânia durante novembro e outros números até 12 de dezembro. Segundo o relatório, as ofensivas em grande escala têm parado desde o cessar-fogo, mas confrontos e bombardeios indiscriminados de áreas povoadas continuaram.

Os relatórios anteriores da ONU destacaram que o impasse entre as tropas governamentais e os rebeldes pró-Rússia no leste da Ucrânia está cada vez mais enraizada, à medida que a lei e a ordem se deterioram em Donetsk, a maior cidade sob controle separatista, e em áreas controladas pelos rebeldes na região vizinha de Lugansk.

O relatório também aponta a falta de progresso em várias investigações de direitos humanos sobre as alegadas violações em Kiev, Carcóvia e Mariupol. /AP

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaViolêciaOnu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.