ONU diz que terroristas islâmicos devem ser combatidos

O chefe de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) para o mundo muçulmano árabe, Zeid Ra''ad Al Hussein, convocou uma campanha liderada pelos muçulmanos para minar a ideologia do grupo extremista Estado Islâmico, afirmando que isso pode ser mais eficaz do que os ataques aéreos.

Estadão Conteúdo

18 Novembro 2014 | 18h18

Zedi disse ao Conselho de Segurança da ONU que muitos muçulmanos se opõem ao grupo pelos crimes que ele cometeu em impor a sua ideologia, incluindo provável genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra.

O Estado Islâmico tomou o controle de uma larga faixa de território na Síria e no Iraque. A coalizão liderada pelos EUA vem realizando ataques aéreos contra o grupo nos dois países, mas Zeid questionou "se é possível bombardear uma ideologia como essa".

O representante da ONU implorou que o Conselho de Segurança apoie esforços derrubar o Estado Islâmico e a "ideologia da violência e da morte, em prol dos direitos dos todos no Iraque". Ele também pediu para o novo governo iraquiano se unir à Corte Penal Internacional para que os líderes do grupo extremistas possam ser processados. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
ONUEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.