John Minchillo/AP
John Minchillo/AP

ONU e G7 se reúnem para discutir risco de invasão russa da Ucrânia

Encontros foram convocados após rebeldes ucranianos pró-russos pedirem ajuda militar a Moscou e o presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, fazer um apelo televisionado pela paz

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2022 | 21h24

WASHINGTON - Os líderes do grupo dos sete países mais ricos do mundo, o G7, irão se reunir virtualmente nesta quinta-feira, 24, para discutir a crise na Ucrânia, informou a Casa Branca na noite desta quarta-feira, 23, ao mesmo tempo em que diplomatas confirmavam um encontro do Conselho de Segurança da ONU  para a madrugada desta quinta-feira, 24.

Pouco após o início da reunião do Conselho de Segurança, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou uma operação militar no leste da Ucrânia. A decisão de Putin gerou repercussão imediata na ONU. O enviado da Rússia à organização, Vasily Nebenzya, defendeu seu país, dizendo que Moscou não está sendo agressiva contra o povo ucraniano, mas contra a “junta” que ocupa o poder em Kiev. “Não há purgatório para criminosos de guerra, eles vão diretamente para o inferno”, disse o embaixador ucraniano na ONU, Sergiy Kyslytsya, à Nebenzya.

O enviado da França condenou a Rússia por “escolher a guerra” e disse que o país deve ser responsabilizado no Conselho de Segurança. O enviado britânico classificou as ações russas de “sem motivos” e “injustificadas”. O enviado alemão instou a Rússia a interromper a ação imediatamente. “No exato mesmo momento em que estamos buscando paz, Putin enviou uma mensagem de guerra”, disse o enviado americano.

As reuniões foram convocadas em meio a um aumento da tensão na região, pouco tempo após o presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, ir à televisão pedir que a guerra seja evitada. “Os ucranianos querem paz”, disse ele em discurso que parecia direcionado aos russos.

Mais cedo, rebeldes ucranianos pró-russos pediram ajuda militar a Moscou, um movimento que era esperado e poderia servir de pretexto para a invasão russa.

Cerca de 80% dos 190 mil soldados russos e forças separatistas da Ucrânia estão mobilizadas para o combate apenas à espera da ordem do presidente Vladimir Putin, disse o Departamento de Defesa dos Estados Unidos nesta quarta-feira. /Com agências

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.