ONU e UE comemoram nova posição sobre prisão

A ordem do presidente americano Barack Obama de suspender por 120 dias os julgamentos na prisão americana de Guantánamo foi festejada pela ONU e por vários países europeus. Alguns governos, como o da Suíça, anunciaram ontem mesmo que estão dispostos a receber prisioneiros para ajudar a fechar o centro de detenção. Os 27 membros da UE reúnem-se segunda feira para debater se receberão alguns dos supostos terroristas em suas prisões. "A decisão de Obama é muito positiva. Ele está fazendo o que prometeu", afirmou o relator da ONU contra a Tortura, Manfred Nowak. O assunto, porém, não pode simplesmente desaparecer com o fechamento da prisão, alerta Nowak. "Uma investigação agora deve determinar se os padrões de direitos humanos foram respeitados. Na minha opinião, a resposta é não'', disse. Em Bruxelas, a Comissão Europeia também deu sinais positivos sobre a decisão de Obama. Para o comissário de Justiça da UE, Jacques Barrot, a ação é "um símbolo forte" de uma nova era. "Estamos muito satisfeitos com a decisão de Obama de virar a página quanto à Guantánamo", disse em nota à imprensa. O alto representante de Relações Exteriores da UE, Javier Solana, afirmou que o bloco está disposto a ajudar a fechar Guantánamo. Solana, porém, lembrou que a prisão é ainda "um problema americano".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.