ONU está preocupada com corte da comida para população sudanesa

O relator especial das Nações Unidas para o direito à alimentação, Jean Ziegler, expressou nesta terça-feira sua preocupação com o corte da comida fornecida a milhões de sudaneses, anunciado pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA) para este mês devido à escassez de recursos multilaterais."Milhões de pessoas em Darfur e no leste do Sudão, que já são vulneráveis a uma insegurança contínua e aos deslocamentos, receberão, diariamente porções de 1.050 calorias, a metade do nível mínimo necessário para manter uma vida saudável", afirmou Ziegler em comunicado.A redução das porções diárias permitirá que as limitadas reservas das agências humanitárias sejam usadas durante o período que vai de julho a setembro, quando as necessidades da população são maiores, pois é a época que antecede a próxima colheita.O relator especial da ONU lembrou que "apesar dos repetidos pedidos aos doadores", o PMA recebeu apenas US$ 238 milhões dos US$ 746 milhões solicitados para implementar seus programas na região, um número que representa 32% do total necessitado.Ziegler pediu que todos os Estados das Nações Unidas assegurem o direito à alimentação das populações afetadas e acatem a obrigação de responder de maneira "rápida e adequada" às situações de emergência alimentar dentro de qualquer país-membro da ONU.Cumprir esse objetivo "é absolutamente necessário para salvar a vida de milhares de pessoas no Sudão", afirmou Ziegler.O relator da ONU também pediu ao governo sudanês que enfrente o problema da segurança alimentícia no país com uma perspectiva de longo prazo por meio de políticas adequadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.