Khalil Ashawi/ Reuters
Khalil Ashawi/ Reuters

ONU estima em ao menos 93 mil as mortes na guerra civil síria

Em média, mais de cinco mil pessoas foram mortas a cada mês desde julho

O Estado de S. Paulo,

13 de junho de 2013 | 10h08

O número de mortos na guerra civil na Síria chegou a 93 mil no final de abril, informou nesta quinta-feira, 13, um relatório do Alto Comissariado para Direitos Humanos da ONU. As cifras, no entanto, podem ser maiores do que o estimado pela entidade. Em média, mais de cinco mil pessoas foram mortas a cada mês desde julho. As regiões de Damasco e Alepo registraram os números mais altos da violência desde novembro.

"Esse número extremamente alto de mortos, mês após mês, reflete a drástica deterioração do comportamento do conflito no último ano", disse a Alta Comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, em comunicado." E infelizmente é provavelmente uma cifra subestimada de vítimas. O número real de mortos poder ser muito mais elevado."

O número anterior de mortos divulgado pela ONU em maio era de 80 mil no conflito, que começou como protestos pacíficos contra o presidente Bashar Assad em março de 2011 e se tornou uma rebelião alguns meses depois. O número de mortos tem como base oito fontes, incluindo o governo sírio e o Observatório Sírio de Direitos Humanos, sediado na Grã-Bretanha. As mortes só foram contabilizadas quando o nome da vítima, o local e a data da morte eram conhecidos.

"Há também casos documentados de torturas e execuções de crianças e famílias inteiras, incluindo bebês - o que, juntamente com esse número devastador de mortos, é uma lembrança terrível de como esse conflito tornou-se cruel", disse Pillay.

A alta comissária pediu "um cessar-fogo imediato" e para isso solicitou a colaboração de terceiros países com influência internacional.

"A única solução é uma solução política negociada. Tragicamente, vergonhosamente, nada permite devolver a vida das 93.000 pessoas que até agora faleceram", lamentou.

Líbano. Combatentes do grupo xiita Hezbollah e do Exército Livre da Síria (ELS) se enfrentaram ontem à noite no vale do Bekaa, no leste do Líbano, onde vários projéteis disparados da Síria atingiram algumas aldeias, informou nesta quinta-feira a imprensa libanesa.

Os enfrentamentos entre os milicianos do Hezbollah, aliado do regime de Damasco, e os rebeldes sírios ocorreram nas proximidades de Nabachit, mas não houve vítimas.

Quatro projéteis lançados do lado sírio da fronteira caíram em uma região situada entre as localidades de Nabachit, Rayak e Sarin, ao leste da cidade de Baalbeck, considerada um reduto do Hezbollah.

Os incidentes ocorreram depois que um helicóptero sírio disparou ontem dois foguetes contra o centro da cidade libanesa de Arsal, conhecida pelo apoio de seus habitantes à rebelião síria, deixando várias pessoas feridas. / REUTERS E EFE

Mais conteúdo sobre:
SíriaONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.