ONU estima que violência no Quirguistão afeta 1 milhão de pessoas

Números dão conta de pelo menos 300 mil deslocados e 100 mil efugiados no Usbequistão

Efe

18 de junho de 2010 | 11h18

 

GENEBRA - A violência étnica no Quirguistão pode ter afetado 1 milhão de pessoas, disseram nesta sexta-feira, 18, organismos humanitários da Organização das Nações Unidas (ONU), que já estão planejando suas operações de ajuda com base nesse número de vítimas.

 

Veja também:

linkNúmero de mortos pode chegar a 2 mil

 

O representante da Organização Mundial da Saúde (OMS), Giuseppe Annunziata, assinalou que a instituição está elaborando seus planos futuros de assistência sanitária em função dessa estimativa. "São números de planejamento. Estamos nos preparando para o que possa ocorrer nas próximas semanas", ressaltou.

 

A porta-voz do Unicef, Christiane Berthiaume, coincidiu em que aproximadamente 1 milhão de pessoas necessitarão de ajuda no Quirguistão. Esse número incluirá os deslocados internos, os refugiados no Usbequistão e as comunidades locais que estão acolhendo as vítimas da violência.

 

Por enquanto, os números calculam ao menos 300 mil deslocados dentro do Quirguistão e outros 100 mil refugiados que já conseguiram atravessar a fronteira com o Usbequistão, embora esses dados só contabilizem adultos e não crianças.

 

Berthiaume acrescentou que 90% dos refugiados no Usbequistão são idosos, mulheres e crianças "em mau estado físico" e que estão particularmente abalados por terem sido testemunhas ou vítimas diretas dos terríveis atos de violência.

 

De outra parte, Giuseppe Annunziata se referiu aos supostos casos de violação de mulheres desde que explodiu o conflito étnico há uma semana, uma denúncia feita pela Cruz Vermelha Internacional. "Uma de nossas preocupações principais é atender as necessidades das mulheres vítimas de violência sexual", precisou o coordenador da OMS para situações de crise.

 

"Temos reportes ainda sem confirmação de diferentes fontes que apontam dezenas de violações entre mulheres refugiadas no Usbequistão", acrescentou. Por enquanto, a OMS não está em condições de confirmar o número de feridos, indicou.

 

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), o único organismo com equipes na área de conflito ao sul do Quirguistão, sustentou que nos últimos três dias a situação poderia ser descrita como de "calma inquietante", embora ontem à noite tenham sido registrados novos incidentes violentos em Osh.

 

Muitos feridos permanecem escondidos por medo de saírem e serem atacados. Outros se esconderam em mesquitas, fazendas e prédios públicos. Nos últimos dias, integrantes da Cruz Vermelha estiveram em três campos de refugiados no Usbequistão, o maior já está com 65 mil pessoas.

Tudo o que sabemos sobre:
QuirguistãoUsbequistãorefugiados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.