ONU exige abertura das fronteiras ao redor do Afeganistão

O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, exigiu hoje a abertura das fronteiras internacionais ao redor do Afeganistão e ajuda humanitária para milhões de famintos afegãos que estão impossibilitados de deixar o país. "De acordo com a lei internacional, as fronteiras devem ser abertas para que os civis possam buscar refúgio", disse Annan em um comunicado. "Ao mesmo tempo, a comunidade internacional deve enviar rapidamente ajuda generosa para que os refugiados não se transformem em um possível peso para os Estados vizinhos".O apelo de Annan foi feito depois da divulgação de informes segundo os quais um desastre humanitário está por acontecer no país. Milhões de miseráveis deverão encarar não apenas a possibilidade de ataques militares, mas também deverão enfrentar um inverno sem comida e medicamentos.Programa - As Nações Unidas mantêm um programa de ajuda que abrange cerca de 5 milhões de afegãos depois de décadas de guerra e três anos seguidos de seca. Mas o organismo mundial se viu obrigado a cortar tal ajuda após os ataques terroristas de 11 de setembro em Nova York e Washington por causa da possibilidade de uma retaliação norte-americana.Todo o pessoal estrangeiro da ONU já deixou o Afeganistão e o organismo não está sendo capaz nem mesmo de dar apoio aos 700 funcionários afegãos que ficaram para trás. Nos últimos dias, o Irã e o Paquistão fecharam suas fronteiras e o Taleban proibiu qualquer ajuda internacional dentro do país.Alimentos - Mesmo assim, o Programa Mundial de Alimentação da ONU, com sede em Roma, anunciou hoje o envio de comida ao Afeganistão pela primeira vez desde os ataques contra os EUA. As cargas serão transportadas por caminhões de depósitos da ONU no Turcomenistão e Tajiquistão até o Afeganistão. Todo o trabalho será feito por moradores locais.Segundo o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur), pelo menos 1,5 milhão de afegãos já deixaram o país por temer um ataque militar dos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.