ONU: falta de recursos suspende ajuda para sírios

O Programa Mundial de Alimentos da Organização das Nações Unidas (ONU) suspendeu nesta segunda-feira o programa de auxílio a mais de 1,7 milhão de refugiados sírios por causa da falta de recursos, já que muitos doadores não cumpriram seus compromissos de financiamento.

Estadão Conteúdo

01 de dezembro de 2014 | 16h05

O corte do programa, que atende refugiados sírios na Jordânia, Líbano, Turquia, Iraque e Egito com vouchers eletrônicos para a compra de alimentos em lojas locais, significa que "muitas famílias ficarão famintas", disse a agência em comunicado.

"A suspensão da ajuda alimentar do Programa Mundial de Alimentos será desastrosa para muitas famílias que já sofrem", disse o diretor-executivo do programa, Ertharin Cousin, acrescentando que isso também "colocará em perigo a saúde e a segurança desses refugiados e vai potencialmente causar novas tensões, instabilidade e insegurança nos países que recebem essas pessoas".

A guerra civil síria, que já dura mais de três anos, matou mais de 200 mil pessoas e provocou uma enorme crise humanitária, forçando mais de 3 milhões de pessoas a buscar refúgio fora do país e desalojando outras 6,5 milhões no interior do território sírio.

A tentativa de atender os afetados pela crise colocou uma enorme pressão sobre os países que receberam os refugiados, assim como sobre as organizações que fornecem ajuda humanitária.

Cousin disse que muitos doadores não honraram seus compromissos, o que deixou as operações da agência para os sírios com sérios problemas de financiamento. O Programa Mundial de Alimentos diz que precisa de US$ 64 milhões para custear a alimentação dos refugiados sírios somente no mês de novembro.

A agência da ONU disse que se recursos forem doados, o programa poderá ser imediatamente retomado. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.